Equipa Profissional 2024-04-19

Orgulhosamente Nós

O título desta crónica, inspirado na expressão mediatizada pela última alma despida de apreço pelos outros que este país governou, serve para descrever o estado emocional de um grupo de trabalho, que segue em frente com a mesma garra e força com que sempre encarou os seus afazeres.

“Orgulhosamente Nós”, é um dos motes que nos dá alento para encarar estas últimas cinco jornadas, da forma mais respeitadora, profissional e unida possível. Ficaram o que de cá são. Não “os que de cá são” em termos geográficos, mas sim em termos de espírito, de querer e de garra. Ficamos (e assim seguiremos) com os que connosco sempre estiveram, os que nunca viraram a cara à luta, fosse qual fosse a situação. Fazemos uma respeitosa vénia a quem por cá ficou, com o Manto Negro aos ombros, envergando-o com o mesmo orgulho e vontade desde o primeiro dia.

Vamos lá então falar do que ainda falta por jogar, dos caminhos que ainda queremos percorrer até o final. No vislumbre desta atípica semana, bem lá no final da mesma (próximo domingo) acena-nos a ronda 30 do campeonato. De verde e amarelo, o CD Mafra viaja desde a Área Metropolitana da Capital lusitana, percorrendo a última etapa do percurso até Viseu: o doloroso IP3. Este já é, por si só, um confronto pseudoclássico do futebol português, dado que será a 17ª vez que ambos se vão encontrar. E além dessa particularidade, há outra que “salga” a partida deste fim de semana, dando-lhe traços de interesse no que aos desempates diz respeito: nas outras 16 ocasiões, os resultados aperfeiçoam-se nas diferenças, isto porque contam-se quatro vitórias para cada lado, e precisamente oito empates.

Tal quer dizer que, aliados à vontade de regressar aos triunfos, coisa que tem faltado a beirões e mafrenses nos últimos jogos, há também uma igualdade histórica por quebrar, onde Viriato quer gritar mais alto. Separados por um ponto, com vantagem para os forasteiros, Académico e Mafra encontram-se às 14H deste domingo, num precioso tesouro chamado Fontelo. Embalado pela natureza que o abraça numa dança perfeita, ele lá tem estado desde 1928, a acompanhar as sortes e os azares da referência desportiva que o ajudou a fundar-se. Ele é a testemunha viva desta difícil jornada que até aqui nos trouxe. Por muito que tenha custado, aprendemos a viver as adversidades com resiliência, com coragem e união. Essa aprendizagem, será de novo colocada em prática no que falta desta época, na qual ainda procuramos somar os 15 pontos que restam jogar.

“Orgulhosamente Nós”, acompanhados por quem nos quer bem, por quem nos quer ver vencer e festejar connosco. Para quem ainda acredita em nós, e nem por um momento se deixou abater pelas derrotas, obrigado por fazerem parte desta mística que nos agarra ao nosso maior amor: o Académico.

Partilhar:
Equipa Profissional

O Perfil de Rui Ferreira - O novo Técnico Academista

Rui Ferreira foi esta semana anunciado como o novo treinador da equipa principal do Académico de Viseu. Com um vasto percurso no futebol profissional português, o treinador nortenho é também antigo jogador, numa carreira que o fez pisar o relvado do Fontelo por três vezes, sempre como adversário do clube Beirão. Perfil | Mais de 100 jogos na Liga 2 Rui Vítor da Silva Ferreira, 51 anos, está entre os mais experientes treinadores da Liga Portugal 2, onde, ao serviço de Feirense (final da época 2020/21 e campanhas completas nas duas temporadas seguintes) e Torreense (até dezembro de 2023), contabiliza 102 jogos oficiais, com 135 pontos conquistados em 88 jogos para o campeonato (36V, 27E e 25D) e média de 1,53 pontos por jogo. O seu percurso evidencia versatilidade tática, com as equipas por si orientadas a caracterizarem-se pela capacidade de pressing, posse e circulação de bola. E sempre uma atitude muito à imagem do que foi o jogador Rui Ferreira, impondo disponibilidade física para assumir protagonismo nos lances divididos e nas disputas pela posse de bola. Natural de Espinho, Rui Ferreira formou-se como futebolista no mais emblemático clube da cidade, o Sporting de Espinho, de onde saltou para os juvenis do Benfica. Três épocas na Luz antecederam a primeira experiência como sénior, no Mirense. Seguiram-se a Oliveirense, o regresso ao Sporting de Espinho, Lusitânia de Lourosa, União de Lamas, Gil Vicente, Salgueiros, Vitória de Guimarães, Belenenses, Portimonense e Santa Clara, numa volta a Portugal futebolística concluída em 2009. Antigo médio defensivo com recursos técnicos e argumentos físicos, Rui Ferreira teve a primeira experiência como técnico no Boavista, em 2010, na então II Divisão. Passou ainda pelo banco do Nogueirense, na Divisão de Honra da AF Porto, antes de dedicar-se, a tempo inteiro, à Academia Marfoot, em Silvalde, Espinho. A passagem pelos sub-23 do Feirense, na Liga Revelação, em 2019/20, confirmou a vocação pelo treino e pelo jogo, que reforçou, depois, no Campeonato de Portugal ao serviço do Felgueiras, antecâmara do regresso a Santa Maria da Feira para abraçar o desafio do Feirense, na Liga 2. Com 75 jogos sob a liderança de Rui Ferreira, entre Feirense e Torreense, o extremo André Rodrigues é o jogador mais utilizado pelo técnico. João Pinto, curiosamente defesa-central que representa o Académico Viseu, e o brasileiro Washington, central/médio do Feirense, mereceram a confiança do treinador em 72 ocasiões.

2024-05-25

Equipa Profissional

Rui Ferreira é o treinador do Académico de Viseu para a época 2024/25

A Académico de Viseu FC, Futebol SAD anuncia Rui Ferreira como treinador para época 2024/25. O contrato que liga as duas partes tem a duração de uma temporada. “É mais um passo para mim, no qual eu e a minha equipa técnica queremos trabalhar bem, acreditando que somos capazes e defendendo sempre os interesses do Académico. Queremos trabalhar todos em sintonia, para que possamos ter bons resultados. No trajeto de um treinador, o mais importante são os resultados e, nesse sentido, queremos abraçar este desafio pelo clube. Sentimos que as condições que nos ofereceram nos permitirão ganhar mais vezes, algo que seguramente vamos conseguir”, afirma o técnico Rui Ferreira. Questionado sobre os adeptos academistas, o novo treinador do emblema Beirão disse contar com todos na nova tempora: "Contamos com o apoio de todos. A minha equipa técnica tem sempre uma premissa: criar um jogo entusiasmante que estará, naturalmente, ligado a vitórias que irão convencer mais facilmente os adeptos. Queremos muito entrar na cultura do Académico e no espírito dos academistas, que serão fundamentais. Cheguei a jogar neste mesmo Estádio (do Fontelo) totalmente cheio, e gostaria de voltar a trazê-los aqui enquanto treinador. Queremos entusiasmá-los e que saibam que a sua força, o apoio e a presença são muito importantes. Temos a responsabilidade de os cativar e de os fazer sentir identificados com o que fizermos em campo, para que possamos estar aqui todos juntos neste estádio cheio e intimidatório para os visitantes”. “É com muita satisfação que anunciamos o nome de Rui Ferreira, um treinador de carácter Viriato, e cujo perfil e experiência enquanto técnico vai ao encontro da nossa ambição. Em nome da SAD e do clube, quero desejar-lhe as melhores felicidades e sucessos. Juntos queremos devolver a felicidade e o orgulho aos viseenses, e lutar pelos resultados jogo a jogo", afirma Mariano Lopez, presidente da SAD do Académico de Viseu.

2024-05-23

Patrocinadores Principais